Valuation, poderosa ferramenta de gestão

Fator chave para determinação do valor de uma empresa, o Valuation é uma ferramenta analítica para se apurar, de forma quantitativa, a aproximação justa do valor de uma companhia.


Muito utilizado como balizador em negociações de compra e venda, o Valuation pode ser também uma ferramenta poderosa nas tomadas de decisão estratégica a fim de se gerar valor para a companhia.


Um Valuation elaborado de forma detalhada permite analisar variáveis e seus impactos no valor da companhia, permite ainda simular estratégias e direcionar as práticas a serem adotadas pelo empreendedor na gestão de sua empresa.


Mas como fazer um Valuation?


Para as mais diversas aplicações, diferentes metodologias podem ser utilizadas:

  • Valor Patrimonial (Book Value): Conhecido como “valor de livro”, leva em conta o valor do patrimônio líquido da empresa, constando em Balanço Patrimonial, contabilizado pela soma dos ativos decrescido do total de passivos. Baseia-se no histórico da empresa, uma vez que contempla os lucros e prejuízos acumulados. É amplamente utilizado em casos de concordata e obsolescência de ativos, não levando em consideração o potencial de ganhos futuros da empresa. Sua aplicação em processos societários abrange derivações do patrimônio líquido através de ajustes de contas ou bens reavaliados.


  • Valor de Liquidação: Considera-se o total de bens imobilizados, somado às disponibilidades e ativos a receber, decrescidos dos passivos a pagar. Aplicado comumente em casos de encerramento de atividades e venda de empresas não operacionais.


  • Valor de Mercado: Para empresas compostas por ações, considera-se o valor da ação no mercado, multiplicado pelo número total de ações da empresa. Em especial aplicável a sociedades por ações listadas em bolsa.


  • Múltiplos: é calculado através da comparação com empresas semelhantes, estabelecendo-se múltiplos entre o valor de venda da empresa e seu Faturamento, EBITDA ou outros indicadores financeiros, subtraído de sua dívida líquida. Comumente utilizado para empresas de pequeno e médio porte, sem um processo profissionalizado de venda, fusão ou aquisição. Este método leva em consideração extrapolações de mercado e não mensura o potencial de retorno futuro da empresa, além de considerar de forma superficial os riscos do negócio.


  • Fluxo de Caixa Descontado: Calculado através da projeção dos resultados futuros da companhia, chegando-se à potencial geração de caixa da empresa, trazida a valor presente, deduzida de sua dívida líquida, medindo a capacidade de retorno futuro. Permite a análise aprofundada do negócio e do mercado ao qual este se insere, podendo levar em consideração detalhes de geração de caixa e necessidade de investimentos, por exemplo.



A razão pela ampla utilização do Fluxo de Caixa Descontado está na sua vasta aplicabilidade. É comumente utilizado em processos societários de fusões e aquisições, onde seu nível de detalhamento leva a negociações mais assertivas, com discussões menos subjetivas, mas pode ser utilizado também como poderosa ferramenta de análise gerencial e estratégica da empresa.



Esse método permite, por exemplo, a modelagem de cenários futuros em seu formato mais detalhado, variando-se composição de receitas, custos, investimentos. Permite a análise de Longo Prazo, modelar cenários macroeconômicos, estabelecer variáveis de crescimento, previsibilidade de investimentos e posicionamento mercadológico, levando o empreendedor a tomar decisões que permitam gerar valor à empresa.


Utilizando o valuation como ferramenta contínua, de análise de passado e futuro, agrega-se mais um mecanismo de controle e previsão, permite ainda conhecer seu negócio mais a fundo, auxiliando portanto na busca de seus objetivos, de forma técnica e analítica.


Já fez seu valuation?

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Um deserto no Middle Market da Banda Larga Fixa

Como o vácuo entre as pequenas e grandes empresas de banda larga fixa pode prejudicar o desenvolvimento da infraestrutura de telecomunicações no país. Com apenas 42% dos domicílios brasileiros com ace